HOME    »    Notícias
Login
Acrogym com excelentes resultados no Campeonato Nacional de Acrobática

Os ginastas do Acrogym Clube de Coimbra deslocaram-se este fim-de-semana a Benavente para arrecadar a taça de 2º lugar por equipas no Campeonato Nacional de Ginástica Acrobática.

Esta conquista só foi possível porque os 18 ginastas que durante a época lutaram para chegar à fase mais desejada, Campeonato Nacional, demonstraram "garra" e muita atitude perante um grupo de juízes extremamente exigente e com adversários à altura, foi uma maratona de ginástica com muita qualidade.

A equipa técnica pediu a máxima concentração aos seus ginastas e estes corresponderam totalmente e os resultados surgiram:

Trio Feminino Sénior - Marta Guerra/Mafalda Fernando/Rute Garrido conquistou o primeiro título nacional para o Clube, num escalão que é preciso conciliar as execuções técnicas de excelência com a dificuldade dos exercícios e a arte das coreografias.

Trio Feminino Júnior – Catarina Tavares/Margarida Bulha/Carlota Morais, não tiveram a sorte do seu lado. Após a conquista do apuramento para este Campeonato Nacional, uma lesão impediu-as de se apresentarem na sua máxima força.

Par Masculino Juvenil, Francisco Gomes/Alexandre Pina e o Par Misto juvenil, Duarte Rodrigues/Filipa Paiva ambicionavam o título Nacional, mas um pequeno deslize colocou-os num honroso 2º lugar, Vice-Campeões Nacionais.

Pares Femininos Juvenis – Inês Leite/Rita Ribeiro conseguiram classificar-se num magnífico 3º lugar e o par Laura Silva/Inês o Monteiro o 5 lugar, no escalão em que o pódio se discutiu às décimas. 

Quadra Masculina Juvenil – Francisco Gomes/Duarte Rodrigues/Miguel Rosendo/Alexandre Pina estiveram ao seu melhor nível conquistando o 2º lugar.

Um desabafo, a competição do dia 29 de Janeiro de 2012

Depois da “competição” de hoje quero salientar o comportamento exemplar dos nossos ginastas numa autêntica maratona.

A partir daqui só lê quem tiver paciência para entender este tipo de provas.

Para não surpreender, estivemos a fazer algo que só os juízes sabem as regras. Os juízes estiveram 45 minutos a acertar pontas para a prova decorrer da melhor forma… mas só para alguns. Depois de um estágio intensivo, vieram com maior capacidade de observação e isenção. Neste tempo conseguiram certamente definir os melhores critérios de avaliação ao nível artístico e execução (para que servem os cursos de juízes?).

Após essa reunião, não foi necessário juntar os treinadores para alertar(em) das decisões (i)refletidas do grupo de juízes ou de alguém que se julga expert. Provavelmente, os treinadores não precisão de saber essas decisões porque são mais espertos ou inteligentes que esse grupo e nada seria novidade… obrigado pela consideração.

Por outro lado, deve(m) ter pensado que não seria necessário, isto é, as crianças não iam conseguir aferir as suas participações… não desvalorizem aqueles que pagam os vossos serviços.

Agora um pequeno apanhado do que assistimos:

Os juízes no ano passado não consideraram quase nenhum movimento que fugisse do seu padrão, mas este ano tudo era válido, desde o exercício do manual ao exercício parecido (com ou sem braços), ou mesmo fazer todos e os juízes é que escolhiam (a volta que deu tanta confusão o ano passado e que finalmente todos tínhamos percebido o que os juízes queriam… ops!!! Mudaram, foi possível fazer pivot, piruetas, voltas no mesmo sitio e finalmente o exercício do manual... BOA!

Outro ponto interessante, é o facto de dizerem que na rítmica “vale tudo”, corrijo, vale tudo o que lhes interessa, ora vejamos:

Este ano tivemos algumas ginastas a fazer a competição com jóias, modalidade chique. Neste caso, não foram feitas deduções porque não está referido no manual, mas a simples “cambalhota” à frente que está definida no manual “a terminar de pé” (diz a regra) já foi possível terminar de todas as formas.

Resumindo, o que está no manual não é obrigatório cumprir ou pode ser desvirtuado e o que não consta do manual é ao gosto de alguns fregueses.

Vamos ter que fazer alguma coisa. Se o “pessoal”, desta modalidade não quer competir com este regulamento que tem sido um sucesso desde a sua implementação, há largos anos, pelo professor Jorge Abrantes (se não me engano), separem-se e criem o próprio “galinheiro”.

Para terminar, é preciso demonstrar transparência e não só falar nela, o facto de não mostrarem notas no final de cada exercício só demonstra falta de carácter e falta de argumentos para calar a voz do povo.

Nunca me referi ao termo Ginástica Rítmica, porque para mim uma modalidade olímpica merece respeito e não pode ser julgada pelas más práticas de agentes frustrados.

Quando um ginasta meu, um ACROBATA, perder uma competição de acrobática para outro ginasta de outra modalidade, em primeiro terei congratular o vencedor e depois terei que repensar nos métodos de treino e não procurar ludibriar as regras.

Quanto aos troféus, eu sei que alguns Clubes já estão cheios deles, logo, não estão interessados em receber, mas o mais importante do troféu não está na sua forma física, está carregado de sentimentos fortes de cada ginastas que lutou pela sua conquista e por isso, o Acrogym abraça sempre esse monte de sentimentos fortes de cada pequeno ou grande ginasta… são e serão a história do Clube, não é apenas mais uma taça.

Agora sim, termino com a minha proposta de alteração desta competição:

Quem só quer participar nos minis de rítmica, assume que a sua nota não será utilizada para participar nos minis GERAL e faz uma competição separada. Deste modo, será possível fazer dois grupos de juízes ou períodos de competição diferentes.

Maior cordão humano

O Acrogym também participou no maior cordão Humano em volta da Escola Secundária de José Falcão, sede do nosso Clube.

Esta iniciativa realizou-se, hoje, dia 01 de Junho de 2011, pelas 11h50m, com a presença do Notário para validar o evento. Sem ainda se saber o número oficial, podemos avançar que contámos 775 participantes e, sim, é verdade, demos a volta à escola.

Ver fotos em anexo

Acrogym apresenta nova coreógrafa

A Direcção do Acrogym Clube de Coimbra, apresentou oficialmente à classe de Competição a nova coreógrafa para as próximas épocas. É sem dúvida o reforço de última hora que a equipa técnica tanto desejava.

A Direcção sabe que terá de fazer alguma ginástica a nível financeiro, mas será compensado com a dedicação e trabalho de todos (Pais, ginastas, treinadores e juízes).

Podemos mesmo adiantar que este grupo de trabalho vai dar que fazer aos adversários, a equipa técnica está mais forte que nunca... venham as ginastas com vontade de ganhar e sofrer.

Bem vinda Verónica... boa sorte ACROGYM!!

III Prova de Controlo - Torneio de Níveis Acro